www.ds.brasil.nom.br

AS RELIGIÕES E A ECOLOGIA HUMANA

            O nosso conceito de religião busca discriminá-la da filosofia e das ideologias político-sociais, através dos diferenciais relativos à metafísica e ao sagrado. A ecologia humana é uma ciência que envolve muitas outras, por se preocupar com todos os aspectos sistêmicos relevantes às relações homem/natureza. Entre as suas abordagens temáticas, destacam-se as focadas nos indivíduos, nas comunidades, nas culturas e nas etnias, além da ecologia econômica, como instrumento essencial à sustentabilidade humana. O assunto complexo de nosso título foi abordado, com profundidade científica pioneira, por Reynolds et al, 1995. Eles fundamentaram os seus estudos na importância que tem para o Mundo real e para qualquer sociedade humana, o fato de que “a função das religiões é responder às necessidades humanas” e de que “cada religião está fazendo o que pode, onde pode, para dar significado e estruturar a vida das pessoas”. A imensa maioria de nossas populações tem fé religiosa e está ameaçada pelas mudanças globais que não provocaram... Urge o “enfoque funcional” das religiões, que só a ecologia humana pode oferecer!...

            Os ateus e os agnósticos atingem grande expressão, apenas nas sociedades tecnológicas. Curiosamente, a maioria dos americanos, a mais importante dessas sociedades, professa alguma religião, enfaticamente. Mesmo na Europa Ocidental, onde estão os menos devotos, há muitos países em que a maioria da população é religiosa. Nos países em desenvolvimento, que superam 80% da população mundial, as práticas religiosas são dominantes e difusas. Em qualquer caso, as populações rurais que dependem muito da natureza, agarram-se à fé religiosa com uma esperança que se aproxima da unanimidade. Todo esse quadro mundial traduz a velocidade das revoluções tecnológicas iniciadas há pouco mais de 2 séculos, que dividiu o Mundo entre os humanos tecnológicos e os humanos comuns... Antes delas, as sociedades viviam, dominantemente, do que a natureza lhes propiciava; até hoje, a imensa maioria da humanidade ainda vive assim. As nações mais antigas e estáveis, comuns na Ásia, ainda preservam suas crenças religiosas seculares, que os ajudaram a vencer suas limitações naturais históricas.

            As simbioses entre religião e cultura fizeram com que todas as sociedades condenassem o incesto e definissem idades mínimas para casamento. Muitas incentivaram esta prática e o tabu da virgindade, como garantia de estrutura familiar solidária, face às limitações de recursos naturais. O islamismo, tão rigoroso em seus preceitos morais, admite a poliginia. Esta e o autoritarismo reinante no Subtrópico Afro-Asiático são imposições ecológicas da gestão eficiente e segura relativa à concentração de terras, aos estoques em geral, à agricultura irrigada, e ao grande comércio. A contribuição das religiões para o equilíbrio das comunidades, até em escala regional, é indiscutível, mas os conflitos que elas trazem são notórios e difusos. Estudos técnicos atuais demonstram a influência significativa das práticas religiosas continuadas, sobre a maior resistência individual a várias doenças, inclusive às práticas relativas ao uso de tóxicos e de outros derivativos psíquicos contemporâneos!... Por outro lado, as discriminações religiosas ameaçam minorias, reduzindo a segurança humana de todos!... Os controles sobre o próprio corpo e sobre a vontade pessoal, propiciados por certas religiões orientais, impressionam o Mundo... As correspondentes mudanças somáticas e neurológicas já estão sendo pesquisadas como inspiração comportamental...

            As revoluções tecnológicas trouxeram a globalização da sujeira, que é uma ameaça aos pobres onde eles estiverem, e fortaleceram a violência instrumental da marginalidade urbana, facilitada pela falta de religião. Mas também fortaleceram o terrorismo alimentado pela fé na vida eterna, que premia os mortos na luta contra a espoliação de suas comunidades. Em qualquer caso, a ecologia humana poderá demonstrar que a solidariedade nos ajudou a chegar aonde chegamos... E que com ela, as tecnologias atuais permitirão que o trabalho enriqueça a todos nós. A discriminação dos recursos naturais através da violência está com os dias contados, pois a Era da Informação democratizou o conhecimento e facilitou a transparência!... Só a ecologia humana domina todas as técnicas que facilitem a busca por convergências contextuais, nos diferentes espaços geográficos, através da solidariedade implícita em todas as grandes religiões atuais!...

            As religiões são essenciais às vitórias da solidariedade sobre a ganância e a hipocrisia de nossas redes de poder atuais. A ecologia humana mostrará os caminhos!!!...

Saiba mais: artigos A Fábula dos Três Humanos e China: o Despertar da Nação Multimilenar; quadros I a IV do As Funções Sociais da Natureza; seções 1.1, 1.2, 2.1 e 2.4 do Espaços Mundiais e 1.2, 1.3, 2.2, 2.3 e 4.2 do Oportunidades Mundiais para o Desenvolvimento Sustentável.